‘Ceifador’ estreia contra o Botafogo na semifinal

Chegou a hora. O atacante Henrique Dourado foi relacionado para a partida de hoje entre Flamengo e Botafogo, semifinal da Taça Guanabara. E deve ser o titular no ataque, para tentar uma façanha que ainda não conseguiu: fazer um gol no Botafogo. Artilheiro do Brasileirão no ano passado, Dourado vem de uma temporada superpositiva, em que marcou 32 gols pelo Fluminense. Agora, quer estrear bem e levar o Fla, que está invicto, à final.

Nesta semana, Dourado fez uma volta ao passado rubro-negro. Na última terça-feira, o reforço do Flamengo fez uma visita ao Fla-Memória, exposição fixa na sede do clube, e viu algumas taças históricas, camisas, fotos e vídeos, conhecendo mais o passado glorioso do seu novo time. A visita foi guiada e acompanhada pelo Vice-Presidente de Patrimônio Histórico, Roberto Diniz, que mostrou alguns dos momentos marcantes expostos na galeria.

Dourado acompanhou tudo e mostrou interesse em saber mais sobre os ídolos mostrados.

“Conhecer um pouco da história que se construiu ao longo desse tempo dá ainda mais vontade de deixar nosso nome marcado nesse espaço. O atleta tem que sonhar com essas coisas. Por se tratar de Flamengo, temos que fazer todos os esforços para que possamos deixar nosso nome aqui também”, disse o novo camisa 19.

Durante o passeio, Dourado entendeu bem o que significa ser jogador do Flamengo. Conheceu histórias das conquistas e uma das principais lhe deixou bastante impressionado: o título da Libertadores de 1981.

“Ajudou a ter a noção da responsabilidade que é representar a Nação e o quanto o Flamengo é grandioso. Em 1981, não só pelo Mundial, mas pela guerra da decisão da Libertadores, três jogos, tivemos jogadores que saíram de campo deixando o sangue, literalmente, isso chega a arrepiar. Esse é o pensamento que temos que ter e dar a vida dentro de campo”, concluiu.

 

HOMEM-GOL

O atacante Henrique Dourado foi o terceiro reforço rubro-negro para a temporada. Chegou para suprir a carência do Camisa 9, já que Paolo Guerrero está suspenso por doping. A transferência entre dois grandes clubes do Rio se deveu à crise financeira no Fluminense e ao bom relacionamento entre as diretorias. E Dourado queria jogar no Fla.

Aos 28 anos, envergando a camisa 19 da Gávea, Dourado sempre foi um “fazedor de gols” com números importantes na carreira. No Cianorte, em 2011, marcou 14 gols em 30 partidas disputadas. No ano seguinte, esteve em campo em oito oportunidades pela Chapecoense, fazendo cinco gols, essenciais para a promoção da equipe à Série B do Brasileiro.

Em 2014, foi o artilheiro da Portuguesa no Campeonato Paulista, com sete gols, o que lhe valeu a ida para o Palmeiras. No novo clube, chegou com ótimo cartão de visitas: quatro gols nos primeiros quatro jogos. Foi no time paulista, aliás, que passou a ser chamado de Ceifador.

 

Foto: Gilvan de Souza / Flamengo