Cai o terceiro ministro de Temer: Henrique Eduardo Alves, do Turismo

BRA-0502Após ser citado na delação premiada do ex-presidente da Transpetro, Sérgio Machado, o ministro do Turismo, Henrique Eduardo Alves, pediu nesta quinta-feira (16) demissão do cargo. A informação foi confirmada pela Assessoria de Imprensa da Presidência da República. O ex-presidente da Câmara Henrique Alves teria recebido, segundo Machado, R$ 1,55 milhão em doações eleitorais com recursos ilícitos.

Ele é o terceiro ministro, após pouco mais de um mês do governo interino de Michel Temer, depois de denúncias relacionadas à Operação Lava Jato. Romero Jucá, que foi ministro do Planejamento, e Fabiano Silveira, da Transparência, Fiscalização e Controle, saíram dos cargos após divulgação de trechos da delação de Machado, em áudio, em que eles criticavam a operação.

Alves enviou uma carta com o pedido de demissão a Temer, mas o teor não foi divulgado. Na noite de quarta-feira (15), o ministro esteve no Palácio do Planalto reunido com o presidente interino. O sigilo dos depoimentos de Sérgio Machado à força-tarefa da Operação Lava Jato foi retirado pelo ministro do Supremo Tribunal Federall (STF) Teori Zavascki, relator dos inquéritos da operação na Corte.

Machado citou o presidente interino Michel Temer e mais de 20 políticos, entre eles o presidente do Senado, Renan Calheiros, os senadores Aécio Neves (PSDB-MG) e Romero Jucá (PMDB-RR), além do ex-deputado Cândido Vaccarezza (PT) e do ex-presidente José Sarney (PDMB-AP). Os políticos negaram as acusações.

TRAJETÓRIA

Em 16 de abril de 2015, Henrique Alves foi empossado pela presidente Dilma Rousseff no cargo de ministro do Turismo, onde permaneceu até 28 de março de 2016, e saiu com uma carta de demissão, antecedendo à saída do PMDB a base aliada do governo que ocorreu no dia seguinte.

Ligado a Michel Temer, Henrique Alves retornou ao Ministério do Turismo mas, logo nos primeiros vazamentos da delação de Sérgio Machado, chegou a balançar no cargo – a cúpula do governo teria sugerido que ele se demitisse antes que as acusações se agravassem.

 

Legenda: Ex-presidente da Câmara, Henrique Alves ocupava o Ministério do Turismo

Foto: José Cruz / Agência Brasil