Bemvindo Sequeira no Teatro da UFF, em Niterói

Ator Bemvindo Sequeira se apresenta no Teatro da UFF, de hoje a domingo, com “Dona Encrenca só muda o endereço”, comemorando seus 70 anos

 

Ele está em cartaz na TV, como o engraçado e avarento Conde Páris na novela “Belaventura”, da Record. Mas o palco preferido por Bemvindo Sequeira sempre foi o teatro. Ele se apresenta neste fim de semana no Teatro da UFF, em Niterói, com o monólogo “Dona Encrenca só muda o endereço”, em que comemora seus 70 anos de vida e 51 de carreira. Uma hora e meia de pura alegria, em que Bemvindo satiriza a relação marido/mulher.

O artista se mostra antenado com a atualidade, e tira do dia a dia “flechadas” que acertam em cheio a plateia. É fácil perceber o quanto o espectador é “tocado” pelas situações citadas pelo comediante em cena aberta. Na verdade, o que o Bemvindo faz em no espetáculo, é um bate papo com o público, contando casos e exemplificando o quanto, realmente, as Donas Encrencas só mudam o endereço.

Os casais se identificam tanto com os casos apresentados e o público, de forma geral, se sente íntimo e cúmplice do artista, o que torna o monólogo mais engraçado e interessante. Não por acaso, Bemvindo Sequeira diz que essa comedia é para o casal, para a família, que gosta do humor antigo, ingênuo, inocente, sem ser vulgar ou debilóide.

Bemvindo Sequeira é uma espécie de “Dinossauro do Humor”, o único e último dos humoristas antigos a se apresentar nos palcos, atualmente. Costinha, Chico Anysio, Dercy Gonçalves, José Vasconcellos, Geraldo Alves já não estão mais entre nós e Jô Soares, Agildo Ribeiro, Berta Loran, Fafy Siqueira, entre alguns poucos outros, não fazem mais shows solos. O que se tem no momento, é a nova geração de humor – Fabio Porchat, Paulo Gustavo, Marcos Veras, Marcelo Adnet, Leandro Hassum, que fazem um humor diferente do que o Bemvindo vem fazendo em toda sua carreira de mais de 50 anos.

Na TV, a carreira de Bemvindo é antiga e marcante, cheia de tipos inesquecíveis, como Bafo de Bode em Tieta, Delegado Noronha na novela Felicidade, Brasilino Roxo na Escolinha do Professor Raimundo, Lupicínio em Tocaia Grande, Zebedeu em Mandacaru, Dorivaldo em Dona Xepa, Tufik Abdala de Pecado Mortal, Baruk em Os Dez Mandamentos, além do Arnaldo do seriado Vai Que Cola.

No teatro, nos anos 1980, apresentou seu primeiro espetáculo solo, intitulado “O dia que o Brasil tomou Doril”. Em seguida, na época das Diretas Já, fez muito sucesso com Oxente gente, Bemvindo prá presidente!. Nos anos 90, fez todo mundo rir com shows solos como Ri melhor quem ri Bemvindo e Um Brasil de risadas, que apresentou por todo o Brasil. Em teatro ele foi dirigido por Bibi Ferreira: em Roque Santeiro – O musical”, de Dias Gomes, e “Deus Lhe Pague”, de Joracy Camargo, onde interpretou o personagem em que o grande ator Procópio Ferreira.

SERVIÇO

O Teatro da UFF fica na Rua Miguel de Frias 9, Icaraí, Niterói. Ingressos: R$ 50. Classificação indicativa: 12 anos. De sexta a domingo, 20 horas.